Porquê que amamos violadores?…

‘Uyinene Mrwetyana, uma sul-africana de 19 anos, foi violada e morta a semana passada.’

Sempre que lemos um romance ou qualquer artigo sobre violação, parece-nos familiar. Porque será? Violação é familiar! Como pode algo tão cruel ser comum e presente na vida de tantas mulheres? Nunca conheci nenhuma mulher que nunca foi violada em toda minha vida. Não se questionem quem porque além de sermos seres tão frágeis que facilmente nos encontramos nessa situação, somos também seres de uma castidade estúpida que nos impede de revelar o acontecido.

Muitas de nós adquirimos resiliência para superar, outras infelizmente mergulharam-se em traumas profundos - é o caso da Khensani Maseko, outra sul-africana, que se suicidou o ano passado após ter sido violada pelo namorado. Mas os casos de abuso sexual não acontecem só na África do sul. Acredita que todas mulheres já foram violadas, em algum lugar, em algum momento, de alguma maneira. Mesmo sendo vítimas, somos responsabilizadas por nos encontramos nesse capítulo obrigatório da vida de toda mulher. Dizem que o nosso pesadelo nasce de uma devoção cega por contos de fadas, que nos impossibilita de ver a essência do violador.

O primeiro violador que eu admirei era meu vizinho, era o moço mais bonito da minha rua e as histórias que ouvia sobre ele nunca abalaram esse amor fictício. Uma vez enquanto estava sentada nas escadas do prédio, ouvi a sua namorada em conversa com alguém a dizer que ele a pediu para dormir com os amigos dele. Vou tentar ser mais clara e usar o nosso calão peculiar– ele disse que se ela realmente o amasse devia aceitar que os amigos dele lhe dessem “gera”. Sim gera! Não gera de gerar amor, gerar vida…aquele gera em que tu te tornas num girassol e todo mundo vem colorir.

Eu gostaria muito que essa fosse a única vez que me relataram sobre estes acontecimentos miseráveis, mas não. Ouvi sobre tantas geras nessa vida...Lembro-me de ouvir que uma rapariga numa festa, enquanto estava embriagada foi violada num quarto por vários homens. Um entrava e saia, entrava outro e saia, e assim consecutivamente. Eles nunca usaram a palavra “violar”, se calhar não tinham noção do que estavam a fazer, e naturalmente se exoneram desse crime. É engraçado como as palavras em Português se contradizem, para uns as exonerações é tirar todo o poder, para outros, exonerar alguém é ser assassinada por criminais e nunca os culpabilizar.

Porquê que nós mulheres amamos o nosso violador? Amamos tanto que procuramos outras palavras para omitir o verdadeiro significado da palavra violação, criamos mil versões do que aconteceu, e ilibamos o nosso querido. Temos medo de enxergar a pessoa pelo o que ela realmente é, porque se não existe violador, não existe violação.

Quando finalmente ganhamos coragem para falar, dizem que queremos atenção. Parece que somos novamente violadas e desrespeitadas, contestando a veracidade do que nos aconteceu e menosprezando a nossa dor... parece uma guerra que nunca vamos ganhar. Somos obrigadas a nos calar para “não fazer show” e “não estragar a festa”. Há quem diga que quando não desabafamos o nosso corpo fala de outra maneira, pelas atitudes...e a raiva se apodera de nós.


Com o tempo, aprendemos que não estamos a desabafar para os outros mas sim para nós. Deixamos os traumas evaporarem com as benesses da vida. Estas a ver quando cantores choram enquanto cantam ou quando os dançarinos sorriem enquanto dançam, são as emoções a falarem pelas suas dádivas, e é assim que me sinto agora enquanto escrevo. Encontramos um refúgio, onde nos libertamos. Depois disso vem o perdão...a fase mais difícil para quem já amou um violador. Ás vezes achamos que já o perdoamos, mas não, só realmente alcançamos a paz do perdão quando ele é posto em causa. Lembro quando o meu violador encontrava-se num momento de agonia e hesitei em estender-lhe a minha mão...mas finalmente o fiz. Doeu, doeu muito, doeu desligar-me de pensamentos de como injuriar o meu violador, e doeu ainda mais ter que perdoar alguém que não merecia o meu perdão e ainda é completamente alheio ao sentimento de remorso. É vergonhoso e desapontante ainda amar o meu violador...mas não é aquele amor enfermo que lhe vangloria, mas sim aquele amor originado de fé, que nos ensina a esquecer e a relevar.



You May Also Like

2 comments

  1. Amei... Estas de parabéns linda escritira. Não para de escrever tá. Bonito texto e serviu-me de reflexão

    ReplyDelete